Follow by Email

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Mais um sobre New Haven: O college Ezra Stiles do arquiteto Eero Saarinem

Mapa da fundação de New Haven, com as nove quadras
No centro de New Haven há um conjunto de quadras em torno do Green, uma grande praça com três igrejas, que é considerado o casco mais antigo da cidade. No livro de SCULLY, Vincent - Yale in New Haven, Architecture and Urbanism - o conjunto das nove quadras é apresentado num mapa histórico, com uma delas bem no centro, sem qualquer divisão fundiária. Numa analogia com a Carta das Índias que foi consolidada em 1573, o Green poderia ser a Plaza de Armas das cidades de colonização espanhola. O registro grafado na planta é de 1644, no entanto segundo o mesmo SCULLY, o reverendo John Davenport e o mercador inglês Theophilus Eaton fundam a cidade em 1638, junto com quinhentos peregrinos, que fugiram de Boston, devido a uma cisão entre os puritanos ingleses denominada Antinomian Controversy. O conjunto das nove quadras, com o passar dos anos foi subdividido, tendo hoje New Haven essas quadras fragmentadas, conforme pode ser observado no mapa de satélite. Nota-se inclusive, que mesmo o Green foi subdividido em dois pela Temple Street, gerando duas praças retangulares, ao invés do grande quadrado original

No quadrante noroeste desse conjunto de quadras, em torno do Green o arquiteto Eero Saarinem (1910-1961) desenhou o College Ezra Stiles, que será construído em 1961 um dos projetos da Universidade de Yale, que merece destaque, e uma reflexão específica. O College é uma alojamento de estudantes, um conjunto de residências temporárias que são oferecidas aos matriculados em Yale, é portanto uma área da cidade de acesso restrito e controlado.

Eero Saarinem é um típico representante da segunda geração modernista, nascido em 1910 ainda na Finlândia, filho de Eliel Saarinem (1873-1950), um arquiteto finlandês importante que migra para os EUA logo após o concurso do Jornal Chicago Tribune, que mobilizou uma imensa quantidade de arquitetos em todo o mundo em 1922, no qual ficou em segundo lugar. Segundo TAFURI, Manfredo num texto maravilhoso denominado a Montanha Desencantada, o Concurso do Chicago Tribune mobilizou 145 projetistas ao redor do mundo, tais como Gropius, Loos, Taut, Hilberseimer e outros arquitetos das vanguardas centro-européias. O pai Eliel Saarinem já havia realizado obras importantes em Helsinki, capital da Finlândia, como a Gare de trens da cidade, construída entre 1910-14. Apesar disso migra para os EUA em 1923, pois após o segundo lugar no Concurso do Chicago Tribune suas solicitações de trabalho em solo americano são ampliadas. Eero Saarinem, o filho, estuda em Yale arquitetura e herdará o escritório do pai nos EUA, produzindo uma ampla iconografia do estilo internacional e também exemplares notáveis do expressionismo, como o Terminal da TWA em Nova York ou o Aeroporto de Washington.

Vista do College Ezra Stile
Apesar dessa filiação ideológica ao modernismo, com uma constante atitude abstrata frente a contextos pré-existentes, o College Ezra Stiles possui gestos claramente historicista, e uma busca mimética com a arquitetura neo-gótica, que predomina no conjunto do Campus de Yale. A implantação denuncia claramente uma reverência a torre neo-gótica do Payne Whitney Gynasium no seu desenvolvimento numa meia circunferência, que enquadra a sua torre, num claro gesto de celebração da sua pré-existência. O eixo que corta o College ligando a Tower Parkway, a Broadway e a York cumpre o papel de velha rua medieval, em suas perspectivas seriadas e
A torre neo-gótica do Payne Whitney Gynasium
fragmentadas, com sucessivas descobertas.

A pontuação de torres, contraposta a horizontalidade geral do College produz o efeito de particularização do território, personificando-o em partes muito expressivas. A predominância de massas construidas cegas, sem fenestrações transmitem um peso a composição geral, conformando os dois pátios privados como claustros ajardinados.

O College Ezra Stiles de Eero Saarinem denuncia no começo dos anos sessenta o esgotamento da linguagem mais ortodoxa do modernismo, o estilo internacional. Mesmo expoentes da segunda geração de arquitetos
Implantação do College Ezra Stiles
modernistas começam a demonstrar em suas próprias criações gestos historicistas e contextualistas, abandonando a abstração de suas composições anteriores. Há uma clara exploração de novas materialidades e uma proposição de diálogo com construções pré-existentes, de outras sensibilidades. Mesmo o historicismo eclético, contra o qual o modernismo tanto se bateu na sua denúncia contra a manipulação estilística da história, aqui reaparece respeitado e celebrado.

Uma das últimas obras de Eero Saarinem mostra-nos muito da nova sensibilidade que emergirá para fazer frente aos novos posicionamentos colocados para a cultura de uma maneira geral pelo segundo pós guerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário