Follow by Email

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Homenagem ao arquiteto Indio da Costa

Luiz Fernando Janot, Indio da Costa, Deputada Aspasia
Camargo, Pedro da Luz, Deputado Sirkys, Augusto Ivan e
Vicente Gifones
No dia 02 de dezembro de 2013 participei na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro de uma bonita homenagem ao arquiteto Luiz Eduardo Indio da Costa, promovida pela Deputada Aspasia Camargo, quando este recebeu o título de cidadão honorário do estado do Rio de Janeiro. Estavam na mesa, a Deputada Aspásia Camargo, o Deputado Federal Alfredo Sirkis, os arquitetos Luiz Fernando Janot, Vicente Gifones  presidente da ASBEA, Augusto Ivan, e eu, Pedro da Luz Moreira, presidente do IAB-RJ.

Recentemente, eu e Indio da Costa, estivemos em posições opostas, no caso da Marina da Glória, na cidade do Rio de Janeiro. Eu, como vice presidente do IAB-RJ fui solicitado pela a imprensa a comentar o seu projeto da Marina da Glória, feito para o grupo de Eike Batista, então concessionário daquele espaço. Na primeira ocasião, para a jornalista Lucia Hipólito, questionei o número de vagas de automóveis que o projeto apresentava em sua versão preliminar, mas defendi que a mudança daquele espaço era legítima, uma vez que aquela parte do parque do Flamengo permanece com áreas cercadas e não franqueadas ao público. Defendi também que a fase de projeto era exatamente para que o trabalho de qualquer arquiteto fosse questionado e debatido, uma vez que nesta etapa era o momento da sociedade tomar conhecimento das complexas relações de custo e benefício, que toda transformação envolve. Neste sentido, cobrei também que um projeto naquele contexto e com o interesse público que suscitava, deveria ser publicizado de forma ampla, para que mais agentes da cidade se posicionassem.

O projeto foi adequado o número de vagas foi diminuído e o projeto apresentou uma outra aproximação e sensibilidade com aquele lugar. Mesmo assim, mantive um questionamento com relação a montagem do programa, assinalando a ausência de compartimentos e serviços típicos de uma marina, como espaço para vagas secas de barco e outros ítens. Assinalei também que a presença no programa de um Centro de Convenções apontava que se buscava construir na verdade uma expansão do Hotel Glória, que também seria explorado pelo mesmo Eike Batista. Mas, mais uma vez reconheci a qualidade do desenho apresentado pelo arquiteto, que elegantemente se prontificou a ir ao IAB-RJ para apresentar esta segunda versão do projeto. Diante de um auditório nada amistoso mais uma vez o arquiteto Indio da Costa demonstrou elegância e clareza de intenções, e ao meu ver um desenho adequado àquele contexto dominado por ícones importantes da cidade do Rio de Janeiro, como o Pão de Açúcar, o Outeiro da Glória, o Monumento aos Mortos da segunda Guerra Mundial...

Ao que tudo indica a Marina da Glória do Indio da Costa não será construída. Apesar de tudo, reconheço hoje que a cidade perdeu uma oportunidade de ter uma bela marina. Mas continuo achando que seu programa deveria ser adequado...