Follow by Email

quinta-feira, 21 de abril de 2016

A ciclovia Leblon - São Conrado, tragédia anunciada

Foto da Gruta da Imprensa com o viaduto Rei Alberto, antes
da ciclovia Leblon - São Conrado
O acidente com a ciclovia Leblon - São Conrado, ocorrido no dia 21 de abril de 2016 na cidade do Rio de Janeiro  é uma tragédia anunciada, que nos revela muito da forma como o projeto das obras públicas vem sendo desenvolvidos em todo o Brasil. De forma generalizada há a presença de um sentido de urgência, que pensa de forma equivocada, que o tempo dedicado ao projeto é perda de tempo. Como se o ato de pensar antes de fazer, que ao final é o sentido do plano e do projeto, fosse uma perda de tempo, uma vez que a obra com sua dimensão prática resolveria no calor do canteiro todos os problemas. A tragédia do acidente da ciclovia, que significou a morte de duas pessoas por conta do colapso da estrutura da laje nos mostra, que mesmo aspectos da segurança estrutural podem ter sido negligenciados em função dessa urgência.

O viaduto Rei Alberto
A cidade do Rio de Janeiro foi recentemente elevada pela UNESCO à condição de patrimônio natural e construído da humanidade, exatamente por sua configuração única e inusitada, reunindo natureza e obra humana. O descuido no apuro do desenvolvimento dos projetos fica patente pelo desrespeito da nova obra pelas pré-existências do Patrimônio Histórico e Artístico, como a Gruta da Imprensa ou Viaduto Rei Alberto (mostrados nas fotos). Esses aspectos históricos e de interação de novas intervenções com antigas obras de valor, que podem parecer de menor importância frente a segurança da obra, denunciam muito da forma açodada como as obras públicas vem sendo realizadas. A nova intervenção não teve o devido cuidado na sua aproximação com a obra antiga, denunciando de forma clara a pressa e a urgência das obras.

Estamos diante de graves acontecimentos que precisam ser apurados e monitorados com rigor, mas que as recentes notícias mudando a forma de contratação das obras públicas por parte do governo federal, como a contratação integrada e o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) demonstram exatamente a supremacia vitoriosa da pressa e da urgência, ou por um certo desdém pela etapa de desenvolvimento dos projetos. Há muito, que a rede nacional do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) defende que os realizadores dos projetos, sejam eles; de estrutura, de urbano, de arquitetura ou de qualquer natureza não sejam os mesmos dos responsáveis pela implantação das obras e que sejam contratados pelo poder público. Tal prática nos parece garantiria uma maior autonomia para o desenvolvimento do projeto minimizando riscos, e determinando um controle compartilhado dos canteiros de obras. A contratação integrada, que delega ao empreiteiro a responsabilidade pelo desenvolvimento dos projetos e pela implantação das obras, não possibilita a devida autonomia à etapa fundamental, de pensar o que será feito.

Todos aguardamos ansiosos pela apuração dos fatos.

22 comentários:

  1. Respostas
    1. Precisamos nos mobilizar para cobrar maior cuidado no desenvolvimento dos projetos de arquitetura e urbanismo. Abs Pedro

      Excluir
  2. Pressa, economia porca, má execução, resulta em obras ruins, que vão durar muito pouco. Uma lástima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Ítalo, como andam as coisas por Viçosa? Precisamos cobrar das autoridades públicas maior responsabilidade no desenvolvimento das obras...

      Excluir
  3. Comentando sobre a ciclovia da Oscar Niemeyer
    Houve um vídeo do acontecimento no qual a passarela foi atingida, por baixo, por uma grande onda - o choque foi tão forte que pareceu uma bomba sob a passarela e o resultado parece evidente: ou o tramo foi levantado ou a armadura positiva não aguentou a tração provocada pelo esforço do impacto, De qualquer forma foi uma falta de planejamento absurdo sem considerar problemas funcionais graves como a falta de passeio - uma excrecência de projeto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rogério, aquele ponto era conhecido como um lugar onde as ressacas sempre eram mais violentas. Um jogador do Flamengo morreu anos atras numa pescaria naquele local. Exatamente nesse ponto o tabuleiro da laje da ciclovia tem uma seção que potencializa o empuxo das ondas das ressacas. Porque?

      Excluir
    2. A ciclovia Tim Maia não fica na Av. Oscar Niemeyer nem tem qualquer relação com o arquiteto Oscar Niemeyer. A Av. Niemeyer homenageia o engenheiro militar Conrado Jacob de Niemeyer, fundador do Clube de Engenharia. Foi construída entre 1891 e 1916.

      Excluir
    3. O engenheiro militar Conrado Jacob de Niemeyer foi o idealizador, projetista, financiador e construtor da Av. Niemeyer.

      Excluir
  4. Incrível como tem pichações inúteis por debaixo dessa estrutura e como é possível até passar um fio dental por estas bases soltas, que certamente - o fio dental - atravessaria facilmente estes apoios sem sequer um 'parafuso'... 40 milhões? e os operários nada podem dizer, quanto ganharam e o que achavam enquanto construíam o treco muito duvidoso até aos olhos dos leigos transeuntes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuamos sem transparência na contratação de nossas obras, que permanecem aprisionadas pelos interesses privados, e sem dar conta dos interesses públicos...

      Excluir
    2. Sr.Pedro da Luz leia esse artigo e veja o que pensa o Sr. Viegas, Presidente da Concremat:

      http://oglobo.globo.com/opiniao/o-preco-da-qualidade-12987354

      Excluir
    3. Célia, muito obrigado pelo envio, o Sr. Viegas da ABCE tem convergido conosco na questão de se conferir autonomia e protagonismo ao projeto...

      Excluir
  5. Acho q deve ter havido erro d projeto mas tambem o avanço do mar devido a mudanças climáticas não considerado.Erro muito grave!

    ResponderExcluir
  6. Prezado Pedro, compartilhei este artigo em alguns grupos do Facebook. O artigo foi muito 'curtido'! É lamentável que parâmetros previstos em tratados internacionais relativos ao Patrimônio Histórico não tenham sido observados. Além disso o desenho, as especificações, os materiais da ciclovia são no mínimo toscos... Nossa linda orla não merecia isso. Um abraço de um colega de profissão.

    Seguem os grupos caso queira ver a repercussão:

    https://www.facebook.com/groups/228310780541504/1061627737209800/?notif_t=like&notif_id=1461336394070761

    https://www.facebook.com/groups/arborizabrasil/1000937613335943/?notif_t=like&notif_id=1461321599292120

    https://www.facebook.com/groups/712997072095070/1067040103357430/?notif_t=like&notif_id=1461325608539880

    https://www.facebook.com/groups/228310780541504/permalink/1061627737209800/?comment_id=1061770433862197&notif_t=group_comment&notif_id=1461336691884983

    ResponderExcluir
  7. Prezado Luciano, obrigado pelo compartilhamento. A completa falta de sofisticação de desenho da ciclovia é um fato, principalmente com relação as pré-existências, como com a Gruta da Imprensa ou o Viaduto Rei Alberto. Mas, ainda não está claro para mim a questão da segurança/estrutura. Porque no trecho onde havia fortes ressacas a laje mudou de seção? Abs Pedro

    ResponderExcluir
  8. Sou carioca, tenho 70 anos e nunca sequer ouvi falar no Viaduto Rei Alberto. Não consegui saber se ele foi demolido ou se continua existindo; abandonado. Quem puder me esclareça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Solange, o viaduto Rei Alberto continua existindo e fica no mesmo ponto em que a ciclovia ruiu. Meu artigo menciona que a falta de cuidado da nova ciclovia fica claro dada a ausência de qualquer menção a presença dessa pré-existência notável, que na verdade foi escondida pela nova ciclovia...

      Excluir
  9. Uma pena como o antigo é desprezado na cultura brasileira. A Europa é um museu a céu aberto.

    ResponderExcluir
  10. O descaso com o patrimônio cultural e histórico, faz parte inerente à falta de cultura nacional, bem como a integração entre o antigo e o novo! Ninguém paga pelo projeto e nem dá o menor valor pelo mesmo. Essa cultura é transferida para o Estado por ideologias que não valorizam a qualificação, a competência e a valorização real dos empreendimentos! Quando esses mesmos indivíduos ideológicos assumem o poder, preocupam-se em afirmar, é somente um conjunto de folhas de papel com desenhos impressos (plotados), porque pagar um bom profissional, porque contratar uma empresa idônea? Pelas fotos percebe-se que o projeto original do conjunto Arquitetônico da Gruta, foi totalmente destruído configurando crime contra o Patrimônio Histórico do Estado! Será que foi simples posicionamento ideológico por ter sido projetado e construido pela Engenharia do Exército Brasileiro? Deixo aqui a pergunta, cada qual responda dentro de suas prerrogativas culturais e ideológicas!

    ResponderExcluir
  11. Parabéns Pedro pelo artigo! Seria importante a sua publicação na grande imprensa.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns Pedro pelo artigo! Seria importante a sua publicação na grande imprensa.

    ResponderExcluir
  13. parece que esta obra conseguiu o prodigio de , à um so tempo : prejudicar seriamente uma das cenas mais deslumbrantes do Rio -- ter erros graves de construção/projeto -- desrespeitar uma construção de interesse da memoria da cidade (se o viaduto de pedras não era tombado pelo IPHAN , isso não justificaria , a meu ver , se sobrepor a ele uma outra construção ).... Pedro , voce poderia redigir um texto sucinto pra que a gente abra uma petição publica pedindo a demolição desta ciclovia ? Penso que o IAB deveria tambem pedir de imediato o tombamento daquela vista , antes que a reforma dessa ciclovia comece . um abraço , --- Rubens Saboya

    ResponderExcluir