Follow by Email

quinta-feira, 4 de abril de 2013

DRESDEN UMA CIDADE BARROCA

Dresden é uma cidade barroca na Europa. Esta classificação pode ser observada considerando dois diferentes autores como GOITIA, Fernando Chueca - Breve História do Urbanismo, BENEVOLO, Leonardo - A cidade na História da Europa. A cidade barroca é a cidade do príncipe ou do poder absoluto, submetida a um eixo perspéctico único, ou pelo menos a um sistema de eixos. BENEVOLO cita que ela foi reconstruída em 1685 após um incêndio, dentro dos princípios do eixo perspéctico barroco. GOITIA menciona que a perspectiva é uma vontade de organizar o poder em torno do príncipe, e cita Dresden como um dos mais belos espaços barrocos da Europa. Ela foi residência do príncipe da Saxônia, que é um dos reinos da Confederação Germânica, que irão no final do século XIX compor a futura Alemanha. Isto significa que assim como Turim na Itália, que também é uma cidade barroca, Dresden é uma cidade estado, e teve a necessidade de representar em seu território esta demonstração do poder, como outra qualquer capital. Os dois livros; BENEVOLO, no capítulos 5 A difícil adequação as regras da perspectiva e GOITIA, no capítulo 7 A cidade barroca, são interessantes referências para compreender o fenômeno da cidade barroca como representação do poder.

Os principais monumentos e marcos históricos da cidade de Dresden são; A igreja Frauenkirche, o Zwinger, a ópera de Gottfried Semper, os castelos do Elba ou a cidade jardim Hellerauer Gartenstadt. A ópera de Gottfried Semper (*1803, +1879) já é uma manifestação do ecletismo, com uma maior carga racional , ligada ao Iluminismo Alemão. Este arquiteto irá escrever um tratado importante de arquitetura, típico do século XIX ligado ao iluminismo alemão que abriga figuras incríveis como Schinkel, Wagner (músico) e ele. O livro de FRAMPTON, Kenneth, Studies of Tectonic Culture menciona esta corrente no capítulo 3, The Rise of Tectonic: Core Form and Art Form in the German Enlightenment, 1790-1870. Semper será um importante teórico da arquitetura, construindo uma importante vertente que articula uma objetividade construtiva a estudos arqueológicos e culturais, fundando a idéia da poética tectônica.

Além disto a cidade de Dresden foi inteiramente destruída pelas bombas aliadas na 2a guerra mundial, apesar de não ser um alvo militar importante, pois me parece era uma cidade universitária, sem instalações estratégicas como industrias ou divisões do exército alemão.

Contemporaneamente a cidade de Dresden vem recebendo uma série de intervenções de arquitetos europeus contemporâneos, como Normam Foster, que projetou a estação central de trens a Hauptbahnhof  E, Peter Kulka projetou o telhado transparente para o pequeno pátio do castelo Residenzschloss, e Daniel Libeskind foi responsável pelo projeto da ampliação e reforma do Museu de História Militar.


A Ópera de Gottfried Semper em Dresden


A abóboda celeste do Rio de Janeiro precisa ser olhada com mais profundidade. A cúpula que nos cobre está constantemente sendo neglicenciada. A arquitetura desta cidade precisa reconhecer as especificidades próprias que a compõe, olhando além da sua escala. Talvez seja importante ler ARGAN, Giulio Carlo, na sua descrição da abóboda celeste de Florença e sua relação com a cúpula desenhada por Bruneleschi:
"Vasari foi o primeiro a observar que a cúpula de Santa Maria del Fiore não deveria ser relacionada apenas ao espaço da catedral e respectivos volumes, mas ao espaço de toda cidade, ou seja, a um horizonte circular, precisamente ao perfil das colinas ao redor de Florença: 'Vendo-se ela elevar-se em tamanha altura, que os montes ao redor de Florença parecem semelhantes a ela.' Portanto, também está relacionada ao céu que domina aquele horizonte de colinas e contra o qual 'parece que realmente combata - e na verdade, parece que o céu dela tenha inveja, pois sem cessar os raios todos os dias a procuram'."

Abs Pedro