Follow by Email

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Mais uma do concurso do BNDES, apoio da FNA à posição do IAB-RJ

O concurso do BNDES, como já foi dito aqui, fere de maneira frontal a idéia de projeto arquitetônico, pois fragmenta em etapas aquilo que deve ser percebido como íntegro e coeso, desde a concepção até o detalhamento. O IAB-RJ desde o anúncio do concurso vem se manifestando contrário a este concurso de anteprojetos de arquitetura. No último dia 08 de abril de 2014 a Federação Nacional dos Arquitetos FNA se pronunciou contra o mesmo concurso convergindo com o IAB-RJ. 

Abaixo a íntegra da carta da FNA

EDITAL DE CONCURSO DO BNDES FERE
DIREITOS DOS ARQUITETOS

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas sugeriu ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo/RJ que avalie a possibilidade de reconsiderar o convênio de apoio institucional com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A sugestão da Federação deve-se ao Edital do concurso para seleção de anteprojeto do prédio anexo do Banco na cidade do Rio de Janeiro.

O item 2, do anexo IV do Edital, determina que: "A presente cessão e transferência total de direitos autorais compreende todos os direitos patrimoniais previstos em lei referentes à sua 'OBRA', manifestando o(s) CEDENTE(S), desde já, plena e inequívoca concordância com a alteração posterior do Anteprojeto pelos profissionais habilitados constantes nos quadros do BNDES ou por outro profissional por este designado;" (grifos nossos).

Em ofício encaminhado ao presidente do CAU/RJ, Sidney Menezes, na tarde desta quarta-feira, 08 de abril, o presidente da Federação Jeferson Salazar argumenta que: "Ao contrário do que argumenta o BNDES, S.M.J., o referido item avança sobre os direitos autorais morais, infringindo a Resolução 67/2013 do CAU/BR. Transparente está que não se trata de uma simples transferência de direitos autorais patrimoniais, já prevista no item 1 do mesmo Anexo, mas sim de autorização prévia de alteração de anteprojeto, ou seja, de cessão de direitos autorais morais, imposta unilateralmente e de forma constrangedora pelo BNDES, sem a possibilidade de oposição daqueles que pretendem participar do concurso."
Outro trecho do ofício alega: "Em todas as suas argumentações sobre restrições legais para atender aquilo que entendemos como moralmente e profissionalmente aceitáveis, o BNDES cita explicitamente acórdãos e orientações do TCU como impedimento para avanços maiores. Admitindo que possam estar corretas as alegações jurídicas, cabe uma pergunta: podemos exigir que uma empresa ou órgão público deixe de cumprir os ditames legais ou do órgão de controle competente?
Ocorre que estamos vivenciando um paradoxo constrangedor! Por um lado temos um Conselho Profissional, órgão público cuja atribuição legal é orientar, regulamentar e fiscalizar o exercício da profissão, que, na mesma linha das Entidades de Arquitetos e Urbanistas, entende que o projeto é indivisível e um de outro lado o Tribunal de Contas da União, órgão público de controle, que entende que o projeto pode ser dividido em etapas, partes ou parcelas, como se fosse um produto qualquer que se vende nos balcões do comércio varejista."
Além do Edital do BNDES, visto como afronta aos profissionais de arquitetura, a FNA aponta outros ataques à profissão, como o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) no Programa Minha Casa Minha Vida. O RDC prevê a implantação da contratação integrada, na qual a contratação da obra, na maioria dos casos sem processo licitatório, inclui como subproduto da obra projetos de arquitetura e urbanismo de má qualidade, deficientes e/ou incompletos. Segundo o ofício, o Regime é " a eliminação do papel do projeto como elemento indispensável ao planejamento, à otimização de recursos financeiros e à qualidade da obra acabada. E isso com o patrocínio de recursos do tesouro nacional e com a anuência dos órgãos de controle, privilegiando a falta de planejamento e, até o presente, que damos inertes diante do descalabro com os gastos dos recursos públicos e com a desvalorização da profissão."
Ao final do ofício, Jeferson Salazar propõe a unidade entre todas as entidades nacionais e o CAU e um amplo debate "sobre a ingerência dos órgãos de controle sobre as atividades de profissões regulamentadas, em especial de arquitetura e urbanismo e de engenharia, com a participação dos respectivos Conselhos e Entidades Profissionais."

Matéria no jornal O Globo sobre a Favela da Telerj

Invasão na antiga edificação da Telerj
Hoje, quinta feira dia 10 de abril de 2014, no jornal O Globo há uma matéria sobre a invasão recentemente realizada na edificação da antiga Telerj no bairro do Engenho Novo. Essa invasão demonstra de forma clara a demanda existente por habitação dentro de contextos urbanos consolidados, isto é a produção da habitação para as faixas de renda mais fragilizadas precisa ser produzida onde existam oportunidades e comodidades urbanas, presença de áreas de lazer, instalações educacionais, de saúde, oferta de emprego, etc... Essa inserção pode determinar para estas familias a possibilidade de melhora nas perspectivas de vida, pois garantem acesso a emprego, lazer, educação, saúde, cultura e informação. O espaço da cidade, uma política urbana mais articulada e coordenada podem ser fator de melhora das condições de vida das populações economicamente frágeis.

Hoje também foi publicado no blog Outras Palavras uma matéria descrevendo uma invasão no centro da cidade de São Paulo, em uma série de edificações, que reforça a minha tese explicitada na matéria do O Globo.

Abaixo links das matérias:

http://oglobo.globo.com/rio/prefeito-defende-reintegracao-de-posse-de-terreno-no-engenho-novo-12146964

http://outraspalavras.net/destaques/sao-paulo-madrugada-plebeia/