Follow by Email

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

A entrevista de Paulo Roberto Costa a Folha de São Paulo demonstra a importância dos planos e projetos

No último dia 08 de novembro o jornal A Folha de São Paulo publicou uma entrevista com Paulo Roberto Costa, o primeiro funcionário da Petrobrás a fazer com a Justiça Federal um acordo de delação premiada no processo do Petrolão. O acordo firmado em agosto de 2014 envolveu a devolução de US$25,8milhões, que estavam na Suíça e nas Ilhas Cayman, que haviam inicialmente sido negados por ele, além de R$10milhões em moeda e bens no Brasil.

Ainda segundo a reportagem, Paulo Roberto Costa é engenheiro mecânico e entrou para Petrobras em 1977 por concurso público, Ele se posiciona a respeito da necessidade da construção da Refinaria de Abreu e Lima em Pernambuco como um empreendimento razoável e necessário para nossa infraestrutura;

"O erro é analisar a refinaria com olhos de hoje, com o dólar altíssimo e o preço do barril de petróleo lá no chão."

Já foi divulgado também pela mídia que a Petrobrás pode contratar serviços e obras sem se utilizar da lei federal 8666/1993, que regula esse tipo de prestação de serviço pelo poder público. A matéria desvenda alguns mecanismos da operação da corrupção nas estatais brasileiras, narrado por um operador de dentro, que apresenta as engrenagens da ordenação institucional que a sustentam, por exemplo, quando se referiu a Refinaria de Abreu e Lima;

"O problema para ele é que não havia projeto detalhado, o que elevou as estimativas iniciais de custo de US$3,5bilhões para US$20bilhões."

Aqui me parece fundamental destacar, que a ausência de uma cultura do plano e do projeto praticado pela Petrobrás, enfatizam a indefinição das ações a serem realizadas numa obra, elevando seus valores em 175%. Fica claro que a ausência de planos e projetos bem estruturados lança sobre as obras uma cortina de fumaça, de indefinições, que beneficiam os acordos e acertos entre empreiteiras e funcionários públicos. Abaixo o link da matéria

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/11/1703489-em-primeira-entrevista-apos-deixar-a-prisao-delator-diz-se-sentir-leproso.shtml


Nenhum comentário:

Postar um comentário